Início » O que você precisa conferir antes de comprar um carro novo

O que você precisa conferir antes de comprar um carro novo

Mais e mais brasileiros estão optando por comprar um carro em segunda mão, a principal vantagem é o preço mais baixo em comparação com os carros novos. Os riscos são altos, no entanto, como muitos anúncios são enganosos e podem esconder carros com grandes falhas, escreve o artigo.

Comprar um carro envolve uma decisão muito importante, considerando a quantidade considerável de dinheiro no meio. Bucareste é o maior mercado de carros usados ​​no Brasil, e a demanda por carros usados ​​é bastante alta; portanto, decepções e enganos são, infelizmente, um risco que vale a pena considerar.

Entrevista

Clica na imagem e inicie sua entrevista.

Quer você retire seu carro do mercado ou da Internet, o comprador deve prestar atenção a um grande número de fatores para não correr o risco de ser enganado ao comprar um carro com defeitos ocultos ou até mesmo grandes defeitos.

Aqui estão algumas dicas que podem ajudá-lo a tomar uma decisão de comprar um carro usado.

1. O número de milhas no anúncio de vendas não deve ser o principal fator de tomada de decisão para a compra de um carro.

Por até 100 reais, o vendedor do carro pode alterar a quilometragem no carro. Cláudia sabe que o funcionamento do veículo é um importante fator de decisão para o comprador, por isso é necessário diminuir a quilometragem a bordo sob um limiar psicológico como 100.000 ou 150.000 quilômetros, embora o carro possa ter mais algumas vezes. Assim, um carro com um pequeno número de quilômetros e um ano de fabricação removido gera pontos de interrogação, aos quais os brasileiros costumam responder com respostas como “Foi guardado na garagem” ou “Era de um homem velho que não o usava muito Mais”.

O número real de quilômetros pode ser detectado em alguns casos por meio de uma verificação em um representante ou serviço autorizado.

2. Verifique a tinta

Um dos aspectos que devem ser verificados antes de comprar um carro usado é a pintura do carro. Diferenças de cor na pintura, vários inchaços ou irregularidades na consistência da tinta ou na presença de traços de tinta no recibo podem indicar que o carro foi repintado como resultado de um acidente, o que põe em causa o perigo de danos técnicos ocultos, causados ​​por reparos ou reparos inadequados superficiais e a gravidade do acidente. Arranhões ou pancadas indicam o grau de operação da máquina.

No entanto, para saber com certeza se a máquina foi repintada, pode ser usado um dispositivo que exibe a distância entre a superfície da tinta e o metal e, se houver diferenças entre os valores medidos pelo dispositivo em diferentes partes do corpo, pode-se concluir que a máquina foi repintada.

3. Procure traços de ferrugem

A presença de ferrugem nas soleiras, portas ou asas do carro é outro sinal de desgaste ou repintura de má qualidade, possivelmente devido a um acidente. Além disso, a ferrugem pode indicar que o proprietário não fez a manutenção do carro ou que o carro tinha um rolamento mais alto do que o especificado no anúncio.

4. Verifique as linhas e a aparência geral da máquina

Também pode haver situações em que a máquina foi repintada apenas por pequenos defeitos de superfície; portanto, para identificar com mais precisão o motivo da repintura, o comprador deve verificar as linhas e a aparência geral da máquina. Se a linha da porta da frente não continuar fluindo para a porta traseira, ou se a linha da asa apresentar irregularidades nas juntas, ou se o carro tiver peças mais recentes em uma área específica ou se houver um espaço maior do que deveria ao fechar o capô ou a bota, a peça o corpo pode ter sido substituído após um acidente.

No entanto, se o reparo ou a repintura foram feitos sob a direção de um serviço especializado, os traços são mais difíceis de observar.

5. Verifique as paradas e faróis

Para descobrir o número real de quilômetros percorridos por um veículo, o melhor indicador não é necessariamente o de bordo. O desgaste do volante, pedais, assentos, caixa de velocidades, dobradiças das portas do condutor, discos de freio ou tapetes são elementos que podem indicar que a história do veículo é realmente muito mais rica do que a quilometragem mostra. Possíveis vestígios de solda, ferrugem, flexão nas dobradiças das portas ou dificuldade em fechar uma das portas são outros sinais de que o carro pode ter sido atingido.

Se as janelas do carro não tiverem as mesmas séries, significa que foram alteradas, o que pode causar novamente um possível impacto nessa área.

No entanto, há casos em que o “brasileiros” também realiza a internalização. Nesse caso, pode haver algumas indicações da operação: é difícil acreditar que um carro que tenha percorrido mais de 150.000 quilômetros tenha o volante, o assento ou os pedais em perfeitas condições.

7. Verifique a instalação elétrica

Todos os componentes do sistema elétrico devem ser verificados, desde faróis, luzes de posição, luzes de ré até vidros elétricos e travamento central, incluindo lâmpadas de bordo e funcionais todos os botões e interruptores a bordo.

Qualquer lâmpada que acenda sem motivo a bordo pode ocultar um mau funcionamento técnico ou o sistema elétrico, que geralmente é difícil de reparar e caro. Muitas vezes, o vendedor tenta subestimar a importância disso.

8. Faça um test-drive

Depois de analisar a aparência exterior e interior do carro, o comprador deve executar um teste “prático”, subir no volante para ver como o carro se comporta ao dirigir e como responde aos comandos do motorista. Assim, o comprador deve observar como a embreagem, o freio, as suspensões se comportam, a facilidade com que as velocidades mudam ou aceleram, se sentem as emoções ou o ruído do motor ou da direção. O comprador também pode, nessa ocasião, verificar se o motor atinge temperaturas excessivas, se necessário.

Antes de embarcar no test drive, verifique se há manchas de óleo ou líquido embaixo do carro, se o carro estiver estacionado no mesmo local por mais tempo.

Os gases de escape quando o carro é ligado normalmente devem ser brancos. A fumaça preta ou azul-branca pode indicar problemas no motor ou consumo excessivo de óleo.

A condição dos pneus pode ser um bom indicador de qualquer problema com o sistema de direção. Se o desgaste do pneu não for idêntico nas duas rodas motrizes, isso pode ser um indicador de qualquer problema com a geometria da roda e desgaste irregular na superfície do pneu pode ser um sinal de outros problemas técnicos no sistema de direção.

9. Verifique a máquina em serviço

Se nenhum sinal de alarme em potencial emergir de testes anteriores, o check-in em um serviço ou representante pode certificar a condição do veículo. Os principais componentes da máquina a serem verificados incluem o sistema de direção, a distribuição, o motor, a transmissão e a instalação elétrica. O preço desses cheques pode exceder 100 reais, mas evita ao comprador possíveis despesas subsequentes muito mais caras.

O estado do motor pode ser um indicador do funcionamento e operação do veículo, o que pode confirmar ou negar o número de quilômetros a bordo.

Existe a possibilidade de que os revendedores de automóveis nas feiras possam ter “colaborações” com as oficinas de automóveis próximas, e eles não notificarão o comprador sobre os possíveis defeitos do carro. Por esse motivo, é recomendável escolher um serviço em que o comprador possa confiar.

A mecânica de vários serviços de automóveis no setor 3 declarou para o B365.ro que os proprietários de carros usados ​​comprados recentemente são mais afetados pelo serviço de problemas causados ​​pela manutenção adequada do carro ou pelo desgaste acumulado. “Muitos deixam os reparos ou reparos nos últimos cem metros, preferem colocar o dinheiro em aros ou a tinta não sabe quais, adiar até” it “, o que agrava o problema e aumenta o custo dos reparos”, afirmou um dos mecânicos.

“Em qualquer carro usado, a distribuição deve ser alterada, se estiver no cinto. Ou seja, se o que você compra diz que ele também o mudou, para que você não tenha surpresas desagradáveis ​​mais tarde. Os suprimentos também mudam.”, o óleo, os filtros, para saber que está tudo bem e sair silenciosamente de carro. Infelizmente, muitos não esquecem quando compram e chegam com carros usados, com mais de 250.000 quilômetros, acreditando que têm o dobro. Tudo o que você precisa fazer é olhar o carro dez vezes antes de comprar “, disse um motorista de um serviço de automóveis.

“Quando um garoto veio com um carro comprado, ele acreditava, desde o primeiro proprietário, um cartão de serviço, estava tudo bem. Quando olhamos melhor para o motor, o carro realmente sofreu um acidente grave, o bloco do motor foi soldado superficialmente”. Nesses casos, você compra o carro mais uma vez, se você pensar em quanto dinheiro dá aos reparos “, diz um dos mecânicos questionados, contendo” A culpa é da polícia aqui, devem ser feitas verificações rigorosas de trânsito deve ser feito. “para sempre” para se livrar de todos aqueles coelhos cosméticos nas estradas “.

10. Atenção aos atos da máquina

O comprador pode verificar se o nome do proprietário no bilhete de identidade do veículo é o mesmo do vendedor. Se o vendedor for recomendado como o primeiro e único proprietário, mas o nome de outro motorista estiver escrito no livro, isso é um sinal da possibilidade de outras tentativas fraudulentas. Além disso, o comprador deve verificar se as séries dos documentos correspondem às do carro e verificar o arquivo de impostos do carro, para garantir que não haja multas não pagas.

Luiza Alvarenga

Voltar ao topo
error: Content is protected !!