Início » 8 passos para você adquirir um novo automóvel

8 passos para você adquirir um novo automóvel

Um brasileiro de Minas Gerais, atualmente morando em São Paulo, nos alerta sobre as armadilhas que devemos ter cuidado ao comprar um carro. O mineiro trabalha como consultor de vendas de um poderoso revendedor de carros e seu conselho vem da experiência adquirida nos últimos dois neste setor.

Ruan Sérgio tem 31 anos e veio para SP há sete anos. Impulsionado pelo desejo de ter uma vida melhor, ele teve que tentar mais negócios, sua paixão por carros finalmente o ajudou a encontrar um emprego que ele gosta. “Cheguei a SP porque queria uma vida melhor, pois suspeito que muitos brasileiros se estabeleceram na cidade paulista. Aqui aprendi ser jardineiro, e lavador de carros. Enquanto isso, tudo isso me permitiu aprender mais, observar o modo de vida paulista e me integrar da melhor maneira possível. Considero um período de acomodação. Com a paixão por carros, vim do país, aqui desenvolvendo meus conhecimentos, sem pensar que um dia terei a oportunidade de trabalhar para um revendedor de carros paulista. ”

Entrevista

Clica na imagem e inicie sua entrevista.

Com a ajuda de um bom amigo que conheceu, ele consegue se juntar à equipe de consultores de vendas de uma empresa, revendedora oficial de uma conhecida marca de carros. “Minha aventura começa há dois anos, depois que um bom amigo quase me obrigou a participar da entrevista. Participei e fui imediatamente contratado para a empresa “AutoPeças do João”, revendedora oficial dos carros da respectiva empresa em São Paulo e outros estados, que além da assistência e venda dos carros novos, também vende uma grande variedade de veículos “usados”, em quatro salões. localizado em São Paulo. Gostaria de agradecer ao empregador da empresa, Franco Rocha, bem como aos meus colegas, de quem aprendi muito e que sempre me apoiaram. Do ponto de vista profissional, posso me considerar sortudo “.

Para os brasileiros, o carro mostra “status social”

Ruan recomenda que seus clientes prestem atenção não apenas ao aspecto técnico e estético do carro, mas também à praticidade. Muitas vezes, algumas pessoas compram um carro que requer manutenção cara, sem poder manter os padrões exigidos. “Antes de comprar, você precisa avaliar muito bem a utilidade do carro, quantos quilômetros você viaja em um ano, se for usado exclusivamente urbano ou urbano, custos de manutenção, custo de seguro, consumo de combustível ou classe de poluição, especialmente fatores importante na escolha de um carro. Notei na maioria dos brasileiro uma certa indiferença a essas coisas, que eles consideram irrelevantes. Infelizmente, muitos brasileiros escolhem um carro primeiro, à luz de adquirir um certo status social na comunidade, e somente então eles consideram os critérios listados acima “.

Segundo Sérgio, antes da compra, o valor potencial de uma venda subsequente deve ser levado em consideração. “Os brasileiros daqui precisam levar em conta que o mercado internacional não tem conexão com o brasileiro. Por exemplo, na Itália, os salões, com pequenas exceções, não são premiados no mercado usado. Desvaloriza muito mais rápido que uma kombi ou perua do mesmo modelo. Assim, um carro comprado e usado na Itália deve estar em conformidade com o mercado aqui. Não era raro ver clientes brasileiros que viam seus próprios carros, sedãs, avaliados como “sem valor comercial”.

Entendo a amargura deles, mas as leis do comércio não dão margem a erros e, ao comprar, devemos sempre pensar no valor potencial de uma venda subsequente. O parque de estacionamento na Itália é geralmente composto pelas marcas alemãs VW, Audi, BMW ou mercedes. Algumas marcas nem sempre respeitam os nomes de fabricantes confiáveis, em detrimento da confiança que os clientes brasileiros demonstram em relação aos modelos produzidos por eles. ”

Dicas para comprar

Pedimos a Sérgio que desse aos leitores de nossa publicação algumas dicas necessárias para comprar um carro, considerando que existem vários “truques” para ocultar as deficiências ou a baixa funcionalidade de alguns componentes.

“Para quem deseja comprar um carro usado, seja por meio de um revendedor ou de um particular, há algumas verificações a serem feitas antes de iniciar uma negociação:

1- verifique a condição do corpo e, se tiver sido repintado, pergunte o porquê. É possível ocultar um acidente ou apenas um arranhão, geralmente os revendedores corretos deixam os arranhões sem pintura precisamente para poder provar isso;

2- peça explicações precisas no caso de um número suspeito de pequenos quilômetros percorridos, embora a idade do carro seja alta. Um pequeno segredo seria que um carro a diesel, em teoria, viaja muito mais quilômetros do que um a gasolina;

3- O livro de manutenção do carro é muito importante e sua falta, na maioria dos casos, indica que ele “caminhou” a km. Observe que um carro que percorreu 130.000 km e, com todos os controles técnicos realizados, pode ser obviamente melhor que um com 50.000 km, mas sem manutenção;

4- verifique os documentos da máquina: o calcanhar com o número do chassi e o certificado de propriedade. Você sempre pode verificar quem é o verdadeiro proprietário do carro, se ele tem uma hipoteca ou impossibilidade de venda.

5- A condição de desgaste do interior da máquina deve estar alinhada com a quilometragem. O novo pneu do pedal indica o verdadeiro nível de desgaste do carro. Cuidado com vazamentos de água no teto do carro, geralmente substituí-los custa muito;

6- verifique o nível mínimo de óleo e sua cor. Cor escura, especialmente em carros a gasolina, indica serviço iminente;

7- teste o carro na rua, se possível na companhia de um motorista confiável, e verifique se os freios, abs e ar condicionado estão funcionando;

8- A válvula do motor lavada pode ocultar vazamentos de óleo, mas ao mesmo tempo pode sugerir uma limpeza impecável do vendedor / proprietário.

É importante saber que a garantia legal mínima de que o cliente se beneficia ao comprar um carro em um revendedor é de 12 meses e não inclui uma garantia nas peças oleadas, como motor e caixa de câmbio. Se o período de garantia não for especificado no contrato entre as duas partes, ele se tornará automaticamente 24 meses.

Luiza Alvarenga

Voltar ao topo
error: Content is protected !!